BLOG

Como saber se a minha queda de cabelo é normal?

Queda de cabelo

Como saber se a minha queda de cabelo é normal?

Se o seu cabelo anda caindo mais do que antes, em primeiro lugar é importante saber que, até certo ponto, é normal a perda de uma determinada quantidade de fios todos os dias.

Isso faz parte do ciclo natural dos cabelos, no qual nossos fios estão em constante renovação, com parte deles crescendo, outra estável e outra parte em fase de queda.

Mas você pode perguntar: como saber se a minha queda de cabelo é normal?

A orientação é que quanto essa perda dos fios se acentua (diferentemente do que costumava ser) e você passa a perceber diminuição da espessura e do volume do cabelo, ou mesmo o surgimento de entradas, é hora de ligar o sinal de alerta.  

Neste artigo a gente vai te mostrar as principais causas para a queda de cabelo e o que pode ser feito, caso você realmente esteja tendo esse problema.

A minha queda de cabelo é normal ou excessiva?

Primeiro, é importante entender que o cabelo possui um ciclo natural de crescimento, como foi dito no início, sendo importante compreender como cada um funciona:

  • Fase anágena: momento em que nosso cabelo está crescendo. Esse período dura de 3 a 6 anos, a depender de cada pessoa. Na maior parte do tempo, nossos fios encontram-se nessa fase.
  • Fase catágena: período de estabilização e repouso dos fios. Momento em que já estão se preparando para cair. Essa fase dura cerca de 2 semanas.
  • Fase telógena: fase final do ciclo capilar, durando cerca de 3 meses. Ao final desse período, o cabelo naturalmente se solta e dá lugar a um novo fio. Assim o ciclo recomeça na fase anágena.

Por causa desse ciclo, é normal que alguns fios caiam eventualmente, desde que não seja em excesso ou que cause falhas na cabeça. 

Mas se você tem percebido uma maior quantidade de cabelo no travesseiro quando acorda, mais pelos ficando presos na escova ou no ralo do banheiro, o surgimento de entradas ou falhas, ou ainda o cabelo mais ralo, está na hora de buscar a avaliação de um dermatologista, de preferência especializado em tricologia.

Seu cabelo está mais fino e ralo? Você percebeu que ele cai demais no banho?

Descubra os melhores recursos disponíveis contra a queda de cabelo, especialmente a calvície. Basta clicar na imagem para baixar gratuitamente:

Estou ficando careca. O que devo fazer?

 

O que pode estar causando a minha queda excessiva de cabelo?

Existem alguns motivos para a queda excessiva: fatores genéticos, hormonais, nutricionais, psicológicos e imunológicos, bem como cirurgias, o uso de medicamentos específicos e alguns hábitos nada saudáveis para o seu couro cabeludo. 

A seguir você confere as 3 principais patologias associadas à perda de cabelo, como elas podem ser identificadas e tratadas. 

1. Alopecia androgenética

A alopecia androgenética, também chamada de calvície, tem origem hereditária e pode aparecer por uma combinação de fatores genéticos e hormonais. Essa patologia afeta homens e mulheres, ainda que seja mais comum em homens, pela influência dos hormônios masculinos, principalmente a dihidrotestosterona (DHT).

A calvície começa cedo, ainda na adolescência para muitos homens, deixando sinais como mudança na linha do cabelo, afinamento dos fios e queda excessiva. 

Com o passar do tempo, os sinais vão ficando cada vez mais aparentes, e outros fatores podem acelerar a queda, como estresse, fumo, inflamações, uso de medicamentos específicos, falta de nutrientes, entre outros. 

Por apresentar indícios desde seu início, a calvície pode (e deve!) ser tratada de forma precoce, que é quando os tratamentos costumam ser mais eficazes.

Existem várias opções para combater a perda de cabelo causada pela calvície genética, desde tratamentos orais, medicamentos de uso tópico, além dos procedimentos clínicos que podem ser realizados pelo tricologista.

Neste artigo do nosso Blog, você confere informações mais detalhadas sobre esse tipo de calvície, assim como sobre os tratamentos mais eficazes disponíveis hoje:

Calvície (alopecia androgenética): o que causa e como contornar?

2. Alopecia areata

Já alopecia areata é identificável pelas falhas circulares que deixa em pontos do couro cabeludo. 

Essa doença capilar inflamatória é causada principalmente por doenças autoimunes, além de possíveis fatores genéticos. O quadro pode ter conexão com questões emocionais, possíveis traumas físicos e quadros infecciosos. Dependendo da sua manifestação, pode afetar também pelos de outras regiões do corpo.

Em geral, a área afetada fica exposta e os fios ao redor caem facilmente, caso sejam puxados. Além disso, quando os fios voltam a nascer, podem ter uma colocação diferente da anterior, geralmente mais clara.

A alopecia areata pode surgir de algumas maneiras:

  • Em placas, quando atinge alguns pontos localizados da cabeça e também da barba, no caso de homens.
  • Na cabeça toda, causando a queda total do cabelo.
  • De forma universal (menos comum), quando leva à queda de pelos no corpo.

O problema não tem cura, mas pode ser tratado com medicamentos como minoxidil, uso de corticoide tópico e intralesional. Procedimentos como a terapia com laser e LED também podem ser usados.

Como a alopecia areata está relacionada a outras doenças, como questões autoimunes, é fundamental que o paciente procure um tricologista assim que perceber as falhas no couro cabeludo, para que a causa seja identificada e seja feito o devido direcionamento do quadro.

3. Eflúvio telógeno 

Identificável pela queda em excesso do cabelo e pela dor que deixa no couro cabeludo, o eflúvio telógeno ocorre na fase telógena (de queda) do ciclo capilar, como o nome indica. 

A queda de cabelo costuma voltar ao normal cerca de 6 meses depois, mas é importante investigar sua causa e tratar o problema enquanto ele está ocorrendo.

O eflúvio telógeno está associado a causas hormonais, como o período pós-parto, o uso de medicamentos de reposição hormonal e doenças da tireoide. Também pode ocorrer depois de cirurgias, por carências nutricionais ou por traumas emocionais e físicos.

A doença se manifesta geralmente 3 meses depois de seu fator causador.

Para o tratamento, podem ser usados medicamentos, procedimentos como a terapia capilar, mas como se trata de uma alteração com muitas possibilidades de causa, o primeiro passo será a avaliação criteriosa dos sintomas, para definição diagnóstica.

Uma pergunta frequente é se há formas de evitar que o cabelo caia. Neste artigo do Blog, nós trazemos a resposta:

É possível evitar a queda de cabelo?

Tratamento contra queda de cabelo é na Clínica Kédima Nassif!

Após avaliar todas as dicas trazidas neste artigo, você conseguiu identificar se a sua queda de cabelo é normal? Se seu cabelo realmente está caindo mais do que o normal, o primeiro passo é sempre agendar uma consulta com o tricologista, para que ele faça o diagnóstico correto, avalie o seu quadro e defina a melhor linha de tratamento. 

Nesse momento, a escolha do local e dos profissionais que cuidarão de seu cabelo é algo fundamental.

Em Belo Horizonte, você pode contar com toda a estrutura da Clínica Kédima Nassif. Somos especializados em tricologia e dispomos do que há de mais atual em recursos e tratamentos para os diversos problemas capilares.