BLOG

DERMATOLOGIA

A calvície masculina e feminina – Entenda as diferenças

A alopecia androgenética, também chamada de calvície, é uma doença que leva ao afinamento progressivo dos fios de cabelo, em homens e mulheres, com áreas de falha e rarefação no couro cabeludo. A grande diferença entre a apresentação da doença nos dois gêneros é que, nas mulheres, o afinamento dos fios ocorre de forma difusa, sendo mais visível na região da coroa, enquanto no público masculino o quadro se dá com mais intensidade no topo da cabeça ou vértex e costuma deixar áreas aparentemente desnudas.

Sua causa é multifatorial, sendo importante os fatores hormonais e genéticos. O ideal é procurar um especialista aos primeiros sinais da queda capilar a fim de obter um diagnóstico e tratamento precoces, com maior chance de reversão e controle do caso.

Atualmente, existe uma gama de tratamentos disponíveis, não só para interromper a queda, como também para fortalecer e engrossar os fios. Entre as principais opções terapêuticas estão os medicamentos tópicos (minoxidil, 17 alfa estradiol e análogos de prostaglandinas) e orais, como a finasterida. Alguns antiandrógenos sistêmicos, como a ciproterona e espironolactona, também podem ser indicados, além de contraceptivos orais combinados com progestágenos de efeito antiandrogênico.

Além disso, o uso de terapias e tecnologias auxilia no crescimento e fortalecimento dos cabelos. São elas: laser e LED, Intradermoterapia, microagulhamento e o tratamento da haste capilar.
Nos casos mais avançados de queda, o implante capilar pode ser a melhor opção. A técnica, realizada por um médico dermatologista, em ambiente hospitalar, consiste em retirar os fios saudáveis de cabelo de uma determinada região do corpo e implantá-los, fio a fio, no couro cabeludo, proporcionando um resultado muito natural.
É importante ressaltar que qualquer patologia capilar deve ser analisada por um dermatologista, com especialização em tricologia. Só um especialista poderá indicar quais os melhores tratamentos em cada caso.